paisagem da janela :: boa noite #RJ , volto amanhã Ver em alta resolução

paisagem da janela :: boa noite #RJ , volto amanhã

pareidolia :: bom dia, a supervia agradece a preferência Ver em alta resolução

pareidolia :: bom dia, a supervia agradece a preferência

#circovoador #pitty (leve plágio a @edusigom rs) Ver em alta resolução

#circovoador #pitty (leve plágio a @edusigom rs)

ontem @pittyleone no @circovoador :: om namah shivaya :: “pelo fogo, transmutação, sem afago lapidando o aprendiz, o que sobra é cicatriz” Ver em alta resolução

ontem @pittyleone no @circovoador :: om namah shivaya :: “pelo fogo, transmutação, sem afago lapidando o aprendiz, o que sobra é cicatriz”

"Acredito que só devemos ler os livros que nos mordem e picam. Se um livro que estamos lendo não nos desperta com um soco na cabeça, por que lê-lo?" Ver em alta resolução

"Acredito que só devemos ler os livros que nos mordem e picam. Se um livro que estamos lendo não nos desperta com um soco na cabeça, por que lê-lo?"

o homem moderno, a vontade, a falta de introspecção e as neuroses

"…É verdade, no entanto, que nesses últimos tempos o homem civilizado adquiriu certa dose de força de vontade que pode aplicar onde lhe parecer melhor. Aprendeu a realizar eficientemente seu trabalho sem precisar recorrer a cânticos ou batuques hipnóticos. Consegue até dispensar a oração cotidiana em busca de auxílio divino. Pode executar aquilo a que se propõe e, aparentemente, traduzir suas ideias em ação sem maiores obstáculos, enquanto o homem primitivo parece estar a todo momento tolhido por medos, superstições e outras barreiras invisíveis. O lema "querer é poder" é a superstição do homem moderno.

Para sustentar essa crença, no entanto, o homem contemporâneo paga o preço de uma incrível falta de introspecção. Não consegue perceber que, apesar de toda a sua racionalização e eficiência, continua à mercê de “forças” fora do seu controle. Seus deuses e demônios absolutamente não desapareceram; têm apenas novos nomes. E o conservam em contato íntimo com a inquietude, com apreensões vagas, com complicações psicológicas, com uma insaciável necessidade de pílulas, álcool, fumo, alimento e, acima de tudo, com uma enorme coleção de neuroses.”

(O homem e seus símbolos, org. Carl G. Jung)